o bicho-papão de hermione granger

Por Localização 3 min leitura
Recentemente, encontrei uma válvula de escape para a realidade em um velho hábito. Incertezas sobre o futuro, problemas causados pela abstinência do álcool e a minha batalha contra a depressão, tornaram-se mais suportáveis quando voltei a buscar refúgio na obra de J.K. Rowling.
Para muitas pessoas da minha geração, Harry Potter foi – e ainda é – um abrigo seguro para quem precisa de um bálsamo para a alma. O que eu não esperava era que minha necessidade de fugir para um mundo imaginário, me levaria a revisitar uma das minhas piores fobias: o medo de falhar.
Existe uma passagem no livro O Prisioneiro de Azkaban, em que a personagem Hermione Granger descreve o seu breve encontro traumático com o bicho-papão, uma criatura capaz de transformar-se no maior medo de um bruxo. Obviamente, a bruxa mais brilhante de sua idade, se vê de frente com a professora Minerva McGonagall, a informando que ela falhou em todas as matérias.
Eu tenho um pesadelo que vira e mexe figura no meu inconsciente. O cenário é sempre a escola que frequentei durante boa parte da minha vida e o enredo se desenrola na premissa de que vou repetir o ano. Perfeccionista que sou até quando estou dormindo, é óbvio que entro em parafuso, tentando argumentar que não posso falhar.
O problema óbvio em meu raciocínio é que vivo presa em um ciclo sem fim de potencial não alcançado. Tenho toda essa energia criativa e qualificações que nunca são aproveitadas.
Como era de se esperar, sempre acordo tão abalada quanto a minha personagem favorita após o encontro com o bicho-papão. Tal como ela, nada me apavora mais do que a perspectiva de fracassar. Nem preciso dizer o quanto todo esse pavor me atrapalhou em diversas áreas. O medo de repetir o ano é uma perfeita alegoria para como encaro a vida com extrema cautela e pisando constantemente em ovos. Meu instinto de sobrevivência fez com que eu nunca me arriscasse muito além da zona de conforto. Eu sigo sentadinha no meu lugar, listando mentalmente todas as situações das quais pretendo escapar para evitar possíveis repercussões negativas. Em meu modus operandi cheio de falácias, levo uma vida acreditando que a melhor maneira de evitar a falha é nem ao menos começar.
O medo de falhar é tão grande que essa é minha disposição constante

Como posso vencer meu medo de falhar?

Essa é a parte em que eu gostaria de fornecer uma fórmula mágica que solucionaria todos os nossos problemas, entretanto, não existe poção, remédio, feitiço ou mantra que possa resolver tais fobias incoerentes. O tratamento mais eficaz para o medo é senti-lo e persistir. Precisamos entender que o medo é uma reação natural para nos preservar, porém, ele não pode assumir o papel de força paralisadora em nossa vida. Devemos assumir os riscos e persistir.

Pessoalmente, acredito que tudo se torna mais fácil quando admito que não tenho o controle de todas as variáveis dessa vida. O que posso fazer é colocar empenho em todos os meus afazeres e torcer sempre pelo melhor resultado possível. O mais incrível nesse raciocínio é que ao diminuir minha responsabilidade, eu me tornei mais produtiva. É verdade que nem sempre tudo sai como previsto e sigo me frustrando, todavia, também me aventuro, aprendo e evoluo mais.

Hermione nunca permitiu que seu medo de falhar a impedisse de salvar o mundo bruxo constantemente. Como a boa Grifinória que é, ela nunca deixou que a covardia falasse mais alto em situações que exigiam o seu melhor. E se você, tal como eu, vive em um universo paralelo em que a possibilidade de decepcionar um personagem fictício é real, está na hora de make Hermione Granger proud.

Encare o seu medo de falhar de frente. O desafie. Mostre que você reconhece sua existência e, mesmo assim, é capaz de superá-lo. Não deixe que o medo te impeça de salvar o mundo bruxo tomar uma atitude que pode mudar sua vida.

Sinta o medo e aja assim mesmo.

Imagem:  Giphy / Warner Bros.

XOXO
signature

Quer receber mais conteúdo em seu e-mail?

Receba atualizações e conteúdo exclusivo em sua caixa de entrada!

Dê sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments
  • Lary Zorzenone
    maio 9, 2017

    Eu já deixei de fazer muitas coisas quando adolescente pelo simples medo de falhar. Hoje eu prefiro tentar e falhar a nunca ter tentado. Cheguei em uma faze da vida onde prefiro me arrepender de ter feito do que me arrepender de não ter tentado.

    Vidas em Preto e Branco

Receba atualizações e conteúdo exclusivo em sua caixa de entrada!

© 2013-2019 Conversas Imaginárias. Todos os direitos reservados.

Previous
resenha: logan (2017)
o bicho-papão de hermione granger